Posted in:

Fotômetro: O que é, Para que Serve e Como Usar esse Acessório

fotometro

O fotômetro pode não ser um dos primeiros acessórios que vêm à mente quando você pensa nos equipamentos essenciais para trabalhar. Mas você sabia que ele pode ajudar a tirar fotos cada vez melhores?

Como fotógrafo – seja amador ou profissional – certamente você conhece a importância da iluminação certa para tirar boas fotos. Dependendo das condições do ambiente, você precisará configurar uma ISO, velocidade do obturador e outros detalhes de acordo.

O fotômetro é um aliado poderoso, que permite que você faça uma análise mais precisa da iluminação do ambiente.

Se estiver interessado em aprofundar-se no assunto, leia também nosso artigo sobre fotometria.

A seguir, você vai aprender o que é o fotômetro, para que ele serve como usar esse importante acessório ao seu favor. Confira:

Índice

    1. O que é um fotômetro?
    2. Tipos de fotômetro
    3. Como o fotômetro funciona?
    4. Métodos de medição de luz
    5. Como utilizar o fotômetro?
    6. Dicas para não errar na fotometria
    7. Conclusão

O que é um fotômetro?

O que é fotômetro
O que é fotômetro?

O fotômetro é um equipamento usado para medir a intensidade da luz no ambiente. Ele converte a luz em uma corrente elétrica, que pode ter sua intensidade medida em valores precisos.

Normalmente, esses valores são exibidos em função de suas interações com a velocidade do obturador ou abertura do diafragma.

Os fotômetros possuem uma tela digital, onde exibem a intensidade da luz em uma escala. A maioria dos equipamentos também recomendam uma velocidade de obturador e abertura do diafragma para as condições atuais.

Muitas câmeras modernas (a maioria das semi-profissionais e virtualmente todas as profissionais) contam com um fotômetro interno. Vamos falar um pouco mais sobre os tipos de fotômetro a seguir:

Tipos de fotômetros

Tipos de fotômetro
Tipos de fotômetro

Existem dois principais tipos de fotômetros: os manuais, também conhecidos como fotômetros externos ou de mão, e os internos.

Fotômetro Interno

Como mencionamos, a grande maioria das câmeras digitais já contam com um fotômetro interno. Em câmeras de qualidade, esse é um recurso bastante confiável, que deve ser levado em consideração na hora de fotografar.

Provavelmente, você encontra o fotômetro interno até mesmo no seu smartphone: ele é representado pela escala de luz, que começa com números negativos e vai até o mesmo valor em números positivos.

O ideal é que o apontador fique no zero. No modo automático, sua câmera irá configurar todas as variáveis necessárias para garantir esse equilíbrio.

Por estar dentro das câmeras, esse tipo de fotômetro mede apenas a luz que passa pela objetiva. Dessa forma, ele já considera a quantidade de luz perdida no processo e, muitas vezes, é mais preciso por isso.

Fotômetro Manuais

Na época da fotografia analógica, era muito mais comum encontrar os fotômetros manuais. Isso porque as câmeras não faziam a medição de luz automaticamente.

Mesmo com o fotômetro interno presente na maioria das câmeras modernas, ainda existem situações onde a versão manual desse acessório pode ser muito útil.

Para usar um fotômetro manual, é necessário configurar o aparelho com a sensibilidade do filme ou sensor sendo utilizado.

Como o fotômetro funciona?

Você já sabe que o fotômetro funciona medindo a luz do ambiente e transformando essa informação em uma corrente elétrica. Mas para entender melhor como ele faz isso, precisamos, primeiro, falar um pouco dos tons de cinza.

Como você deve saber, os tons de cinza são mais claros ou escuros dependendo da quantidade de luz que refletem.

Todo fotômetro é calibrado para medir a luz em relação a um tom de cinza médio – conhecido como cinza 18. Ele tem esse nome pois reflete 18% da luz que incide sobre ele.

Ou seja, a leitura desse aparelho oferecerá ao fotógrafo configurações que permitem registrar a cena com a intensidade de luz desse cinza.

Provavelmente, você já começou a entender as limitações do fotômetro e o motivo da exposição da foto ser configurável nas câmeras profissionais.

Imagine, por exemplo, que você quer tirar foto de uma cabana coberta por neve. O fotômetro, provavelmente, irá equilibrar o branco para que ele seja compatível com o cinza médio.

Nesse caso, o fotógrafo deverá aumentar a exposição para capturar o branco puro da neve.

Métodos de medição de luz

fotômetro medição de luz

Como mencionamos, existem diferentes formas de medição de luz. Na sua câmera, você provavelmente encontrará eles identificados dessa forma: matricial, parcial e predominância ao centro.

Cada método de medição de luz é adequado para uma situação distinta. No entanto, se você é um iniciante, nossa dica é manter essa configuração no modo matricial. Normalmente, essa é a configuração de fábrica.

Matricial

O modo matricial apresenta uma boa porcentagem de acertos, mesmo em situações bastante distintas. Também conhecida como medição geral ou evaluativa, ela realiza um ajuste automático das configurações com base nas variações de iluminação do ambiente.

No entanto, como a câmera não tem como saber qual objeto o fotógrafo pretende destacar na composição, esse método é passivo de erros em algumas situações.

Por exemplo, se seu assunto está posicionado em um ambiente onde o fundo é mais iluminado.

O modo de medição matricial funciona melhor quando não existem extremos na iluminação.

Parcial

Também conhecida como medição pontual, esse método utiliza uma área muito menor do ambiente para realizar o cálculo de intensidade da luz.

Essa é uma ótima opção se você está fotografando em condições de iluminação mais extremas. É possível indicar para a câmera quais pontos na cena devem ser utilizados na medição. Assim, o ajuste de exposição é aplicado com esse determinado ponto como referência.

Esse método, no entanto, é mais limitado do que o matricial.

Para saber qual parte da imagem está sendo medido pelo fotômetro, normalmente basta apertar o disparador de foto sem que chegue ao final. Na tela, o marcador vai piscar no local.

Câmeras profissionais geralmente possibilitam que o fotógrafo selecione o ponto exato de medição.

Caso sua câmera não apresente essa função, no entanto, é possível improvisar. É só apontar o marcador, alinhando ele ao ponto que deseja medir. Então, acione o fotômetro novamente para que as configurações sejam atualizadas, mas não solte o botão.

Com o disparador ainda pressionado, enquadre a cena como quiser e clique a foto.

Predominância ao centro

Esse tipo de medição, também chamada de medição central, é como um meio termo da matricial e da pontual. Isso porque ela não é tão ampla quanto a primeira, mas também é menos limitada que a segunda.

A predominância ao centro mede a luz exatamente como seu nome indica: a partir das informações no centro da cena.

Ela pode ser utilizada em casos onde o ponto central da composição precisa de destaque. No entanto, não funciona tão bem em condições de iluminação mais extremas.

Como utilizar o fotômetro?

Como utilizar o fotômetro?
Como utilizar o fotômetro?

Agora que você já entende bem mais sobre o funcionamento do fotômetro, é hora de aprender como aproveitar todo o potencial dessa ferramenta.

Um dos pontos mais importantes para utilizar o fotômetro corretamente é desenvolver seu olhar fotográfico, e fazer bastante testes.

Felizmente, com a fotografia digital, tudo ficou mais fácil. Antes, era preciso utilizar um fotômetro manual e configurar os detalhes do filme corretamente. Além disso, também era necessário ajustar as configurações recomendadas manualmente na câmera.

E você só poderia ter certeza do resultado após a revelação.

Hoje, tudo é muito mais simples. A maioria das câmeras possuem fotômetro interno, que já vêm calibrados para o sensor da câmera. As configurações podem ser ajustadas automaticamente se você preferir.

E, principalmente, você conta com um visor que exibe a imagem na hora. Se você identificar problemas na exposição, basta fazer ajustes e clicar novamente!

Utilizar o fotômetro é muito simples. A escala exibida na tela representa o equilíbrio da luz no ambiente. Com o apontador no 0, você está fotografando com as configurações recomendadas pelo fotômetro para aquela situação.

Como se faz a fotometria?

Esses são os passos para ajustar as configurações da sua câmera manualmente, de acordo com a medição do fotômetro:

  1. Coloque sua câmera no modo manual;
  2. Você precisará ajustar três variáveis primeiro: A abertura do diafragma, a ISO e a velocidade do obturador.
  3. Comece com a abertura desejada, e depois configure a ISO.
  4. Ao configurar a velocidade do obturador, você pode observar o indicador na escala do fotômetro se movendo. A configuração ideal será a que deixa esse indicador no 0 da escala.

Você pode, também, subir ou descer a escala para aumentar ou diminuir a exposição utilizada, se achar necessário. A seguir, vamos falar um pouco mais sobre isso:

Compensando a exposição

Existem alguns ambientes e condições que tornam a medição mais difícil para o fotômetro. Alguns exemplos são quando o fundo da composição está muito mais iluminado ou muito mais escuro que o assunto da foto.

Nesses casos, o fotógrafo precisa utilizar a compensação de exposição. Ou seja, “informar” ao fotômetro que a imagem precisa ser mais clara ou mais escura do que ele determinou como ideal.

O olho humano realiza essa compensação automaticamente, mas sua câmera tende a ignorar partes muito claras ou muito escuras do ambiente. Então, você precisará fazer essa avaliação por ela.

Os números positivos da escala vão deixar os pontos brancos da foto mais claros, e os negativos deixarão os pontos pretos mais escuros.

Essas alterações também vão afetar tons próximos ao branco e o preto. Dessa forma, é preciso tomar bastante cuidado para não “estourar” essas cores. Uma imagem é estourada quando existem pontos de branco ou preto puros na imagem.

Evitando a interpretação errada do fotômetro

Uma das características do fotômetro é uma certa dificuldade em interpretar corretamente objetos brancos ou pretos. Isso porque eles acabam sendo interpretados pelo aparelho como claros ou escuros demais.

É por isso que quando você tira fotos de uma paisagem nevada, por exemplo, é comum que a foto saia acinzentada e sem contraste nas configurações automáticas. Da mesma forma, uma foto de uma cena com objetos pretos pode sair com aparência clara demais.

Por isso, é sempre bom ter em mente que, nesses cenários, o fotômetro pode errar. É nesse tipo de situação que você deve compensar a exposição, saindo do 0 na escala.

Dicas para não errar na fotometria

Entender bem como seu equipamento funciona é meio caminho andado para não cometer erros. E agora, você já entende tudo sobre o fotômetro, como ele trabalha e como você pode interpretar e manipular os resultados dessa ferramenta.

Para terminar esse artigo, então, vamos dar algumas dicas de profissional para não errar na hora de fazer a fotometria.

Primeiramente, é fundamental ter seu objetivo com aquela imagem claro. Assim, você sabe que efeitos devem aparecer na imagem e quais não seriam desejados.

Por exemplo, você quer que a imagem seja granulada ou não? Quer destacar os tons brancos na cena?

Técnicas como o High e Low Key, por exemplo, podem exigir configurações específicas e ajustes mais manuais.

Outra dica é não ter medo de fazer testes. Antes de começar uma sessão, é sempre uma boa ideia tirar algumas fotos no ambiente para ajustar todos os detalhes – em especial a ISO.

Além disso, não deixe de acompanhar o trabalho de outros fotógrafos para aprender diferentes técnicas, se inspirar e desenvolver o olhar fotográfico.

Conclusão

fotômetro fotografia

O fotômetro é um acessório extremamente útil e fácil de usar. E o melhor: muito provavelmente sua câmera já tem um fotômetro interno.

A fotometria ajuda a produzir imagens de qualidade superior: você obtém o contraste ideal e o melhor equilíbrio de cores. Tudo isso, sem precisar tirar muito tempo para fazer ajustes.

Então, para fotógrafos amadores ou profissionais, é essencial desenvolver o hábito de checar o fotômetro antes de clicar suas fotos. Você pode começar com o básico – medição matricial e modo automático – e ir aprendendo mais aos poucos.

O importante é fazer testes, conhecer e explorar seus equipamentos.

Quer aprender mais? Leia esses outros artigos que separamos para você:

Não esqueça: se ficou com alguma dúvida, basta deixar sua pergunta nos comentários. Obrigado por ler e até a próxima!

Escrito por Equipe Fotografia Mais

Equipe de Fotógrafos, redatores e designers responsáveis por conteúdos exclusivos e de alta qualidade sobre fotografia para o mercado brasileiro.

190 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *